3º Ciclo

Biblioteca - Recursos para o 3º Ciclo

Saber mais

Físico-Química

https://estudafq.pt/
Sítio em Inglês com muitas simulações de Física, Química, mas também Biologia e Matemática

 

Duração: 6:46 minutos
www.youtube.com/watch?v=X8c3AdgMi9w
Diz respeito a Arquimedes e à “Coroa de ouro de Hierão"

https://www.portal-energia.com/fontes-de-energia/
Portal com informações sobre as várias fontes de energia renováveis.

HISTÓRIA GERAL

Duração: 3:30 minutos

Segundo a tradição, Roma foi fundada em 753 a.C. por dois irmãos gémeos, Rómulo e Remo, criados por uma loba. Conta ainda a lenda que o primeiro rei da cidade terá sido Rómulo, que assassinou o irmão. É certeza histórica que, numa primeira fase, a cidade foi governada por um monarca, mas durante o processo de expansão territorial transformou-se numa república e, posteriormente, num império.

Formação e expansão do Império romano - RTP Ensina

Duração: 5:29 minutos

Biografia de D. Afonso Henriques! Este curto filme de animação, produzido em 2009, com argumento e realização de Pedro Lino conta de forma divertida as façanhas do Primeiro Rei de Portugal.

Padlet com artigos, vídeos, filmes, entre outros sobre o Holocausto criado para assinalar o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto e da libertação do Campo de Concentração de Auschwitz-Birkenau.
https://padlet.com/anapvieira1/myr5ymz1s3505owb

CIÊNCIAS NATURAIS

Duração 30:17 minutos

No meio do Oceano Atlântico há uma ilha que conta histórias com milhões de anos. É por isso que Santa Maria, a mais antiga do arquipélago dos Açores, é visitada por cientistas de todo o mundo. Os paleontólogos chamam-lhe "santuário de fósseis marinhos".
Na sua história geológica, Santa Maria “nasceu” duas vezes. A pequena ilha formada a partir de um vulcão nas profundezas marinhas emergiu há cerca de oito milhões de anos mas voltou a desaparecer nas águas. Foi depois de uma violenta erosão que a terra ficou de novo totalmente submersa e, durante esse período, acumulou uma espessa camada de sedimentos marinhos. Numa fase posterior registaram-se várias erupções que provocaram o seu reaparecimento à superfície.
A mais antiga das nove ilhas dos Açores, e a que está há mais tempo sem atividade vulcânica (dois milhões de anos), é por isso a única com rochedos calcários onde se escondem os fósseis marinhos, verdadeiros tesouros para paleontólogos, geólogos e biólogos que os identificam, catalogam e datam. Moluscos, crustáceos, corais, cetáceos, algas do mar e muitos outros organismos marinhos que aqui viveram em eras diferentes e se transformaram em animais de pedra, estão espalhados pelas cerca de 20 jazidas de Santa Maria, como a Pedra-Que-Pica, que terá sido formada há cinco milhões de anos.
As descobertas feitas na última década são já muitas e é com elas que os investigadores constroem pacientemente o passado de Santa Maria, quando esta era uma ilha solitária no meio do atlântico.
Fazemos uma viagem no tempo e descobrimos um património paleontológico único nesta reportagem realizada pela RTP quando acompanhou a 6.ª edição da expedição científica “Paleontologia das Ilhas Atlânticas”.

Os fósseis marinhos de Santa Maria - RTP Ensina

Duração 12:26 minutos

Ainda os dinossauros não existiam e já as trilobites dominavam os mares do planeta. Estes animais invertebrados surgiram há mais de 500 milhões de anos, sofreram várias evoluções e resistiram a duas extinções maciças de espécies. Uma delas, a que ocorreu no final da era Paleozoica, foi a maior alguma vez registada. E sabemos tudo isto porque estes pequenos organismos ficaram preservados em forma de fóssil, a testemunhar um tempo em que tudo era diferente do que é hoje.
Há centenas de milhões de anos, o interior norte de Portugal não era uma superfície sólida, recortada em relevo de vales e serras. Tudo estava coberto pelo mar. Uma aldeia, no concelho de Arouca, tem essa história escrita na rocha, a provar que em tempos remotos foi uma região habitada por seres marinhos com o corpo segmentado em três partes e “um sistema de visão complexo, semelhante ao dos insetos atuais”.
As trilobites de Canelas apareceram no período Ordovícico, viveram durante mais de 300 milhões de anos e desapareceram muito antes da primeira pegada de dinossauro. Os fósseis destes invertebrados, descobertos numa pedreira de ardósias, mantêm intacta a memória de acontecimentos geológicos que mudaram a paisagem e a vida na Terra. Apesar de existirem mais exemplares no mundo, alguns dos fósseis visíveis no Museu das Trilobites de Canelas pertencem a várias espécies e são dos maiores achados até agora no nosso planeta. Um património único para conhecer de perto com Helena Couto, Professora de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto.

https://ensina.rtp.pt/artigo/trilobites-a-vida-na-terra-antes-dos-dinossauros/ - RTP Ensina

Duração 03:10 minutos

Ganhou o nome de Pangeia, a superestrutura que já uniu todos os continentes do nosso planeta. A formulação da teoria que explica como se separou a superfície terrestre em partes data da segunda década do século XX. Vários indícios levaram o geofísico alemão Alfred Lothar Wegener a construir a tese da deriva continental. Fatores morfológicos, palentológicos, geológicos e também climáticos revelam que África, Ásia, América, Antártida, Europa e Oceania já formaram uma só placa que se fraturou e se move em permanência, segundo os movimentos tectónicos.

 https://ensina.rtp.pt/artigo/a-deriva-dos-continentes/ - RTP Ensina

Duração 03:40 minutos

A terra está dividida em placas tectónicas que se movimentam e interagem. Há as continentais, à superfície, e as oceânicas, no fundo do mar. Ao movimento das placas dá-se o nome de limites tectónicos e são eles que alteram a "face" do planeta. Quando os limites são divergentes, duas placas afastam-se uma da outra e originam a formação de uma terceira. Pelo contrário, quando os limites são convergentes, duas placas chocam e fundem-se, provocando aumento de pressão e temperatura, o que forma magma. Já os limites transformantes apenas fazem deslizar duas placas lado a lado, sem qualquer alteração.

 https://ensina.rtp.pt/artigo/movimentos-das-placas-tectonicas/ - RTP Ensina

Duração 04:20 minutos

A atividade vulcânica principal tem a ver com a libertação de matéria líquida, sólida e gasosa do interior da terra para a superfície. Nas erupções podem ser libertados lava, piroclastos, cinzas e gases e dividem-se em três tipos, consoante a espessura do magma e a inclinação do cone que provocam: erupção efusiva, explosiva ou mista. Sobre a constituição de um vulcão, na parte mais profunda temos a câmara magmática, de onde sai a chaminé que transporta o magma até à cratera, formando o cone vulcânico à medida que vai solidificando.

https://ensina.rtp.pt/artigo/atividade-vulcanica-principal/ - RTP Ensina

Duração 28:43 minutos

Situado na ilha do Faial, o vulcão dos Capelinhos esteve em atividade durante mais de um ano, na década de cinquenta. A erupção de 1957 foi documentada em filme graças à bravura de Carlos Tudela, Vasco Hogan Teves e Alexandre Gonçalves.
Os três profissionais da RTP desembarcaram numa ilha provocada pela erupção, filmando boa parte do que se apresenta neste documentário. Acompanhados por Urbano Carrasco, do Diário Popular, mostraram ao país o que acontecia naquela ilha açoriana, constituindo estas imagens uma parte muito substancial do que a RTP possui sobre o vulcão dos Capelinhos.

https://ensina.rtp.pt/artigo/vulcao-dos-capelinhos/

Duração 03:09 minutos

Da superfície ao centro do planeta temos várias camadas e podemos analisar esse trajeto de duas formas. O modelo geoquímico, que nos leva da crusta, seja ela oceânica ou continental, ao manto e ao núcleo. As camadas distinguem-se através da composição química dos seus materiais. Temos também o modelo geofísico, que nos transporta desde a litosfera à astenosfera e à mesosfera até ao interior da Terra (que se divide em endosfera externa e interna). Neste modelo analisam-se as propriedades físicas da estrutura interna do planeta.
https://ensina.rtp.pt/artigo/modelos-da-estrutura-interna-da-terra/ - RTP Ensina

Educação Visual

Duração: 4:24

Uma inspiradora e cativante história escrita e ilustrada por Peter Reynolds que demonstra o poder de um pequeno incentivo e uma professora que sabiamente vai agir de forma a desencadear o início de um processo criativo. Uma narrativa textual e pictórica mínima em que Reynolds apresenta de forma magnífica o poder da relação educativa entre a criança e o adulto.

Duração: 3:53

Desenho de uma mão em 3D usando lápis de grafite e marcador.